Proprietário de drogaria é preso em Pádua após vender comprimido abortivo para moradora de Cataguases

Um comerciante de Santo Antônio de Pádua, no Noroeste Fluminense, foi preso em flagrante, depois de vender, para uma moradora de Cataguases, um medicamento utilizado ilegalmente para a indução do aborto. De acordo com informações, a prisão aconteceu na quinta-feira (21). Policiais Militares do 36º BPM já haviam sido alertados através de denúncia anônima e interceptaram o veículo GM Celta de aplicativo, no bairro Cidade Nova, onde viajava uma mulher, moradora de Cataguases, que levava consigo quatro comprimidos do medicamento abortivo. Ela alegou ter acabado de adquirir em uma drogaria que fica naquele mesmo bairro e que teria pago através de transferência bancária, realizada pelo companheiro, que determinou a interrupção da gestação. O comerciante foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil para as demais providências. Com informações e foto da Folha de Italva  

Ricardo Botelho, da Energisa, recebe prêmio Industrial do Ano

Prêmio concedido pela FIEMG foi entregue nessa quinta-feira (23), em Belo Horizonte, com a presença do governador Romeu Zema

Foto: Sebastião Jacinto Jr / FIEMG
O diretor-presidente do Grupo Energisa, Ricardo Botelho, recebeu o prêmio Industrial do Ano nessa quinta-feira (23). Ele defendeu que a recuperação da economia brasileira passa pela retomada da indústria, pela promoção da inovação e pela criação de um ambiente de negócios favorável ao desenvolvimento dos negócios. A premiação, concedida pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), reconhece empresários que contribuem para o desenvolvimento do estado e do Brasil.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, compareceu ao encontro e defendeu que o estado deve fazer as atribuições básicas de educação, segurança e saúde, e não empreender. “Se fizéssemos isso adequadamente a população estaria extremamente satisfeita”, afirmou. “O estado no Brasil se transformou em um agente de restrição ao desenvolvimento, e não propulsor”. Ele citou a simplificação da tributação no estado e a agilização das licenças como medidas que já estão sendo implementadas em Minas. “A única coisa que eu gostaria de deixar como marca do meu governo é essa mudança de mentalidade. O principal agente de desenvolvimento não é o estado, é o setor privado.”

Em seu discurso, Ricardo Botelho, defendeu que o caminho para “tirar o freio da economia tradicional de Minas” passa pela adaptação das empresas à próxima revolução industrial. “Uma base de empresas inovadoras alicerçadas nas vocações regionais nos permitirá retreinar nossa mão-de-obra e prepará-la para o futuro digital”, disse, destacando o papel do SENAI e outras instituições de ensino de excelência que têm papel relevante nessa transformação. “Esse é o momento de nós, empresários, olharmos para o futuro e trabalharmos para a criação da união das redes de indústrias, fortalecendo os principais elos produtivos do nosso estado e criando outros novos”, conclamou.


Ele destacou algumas das contribuições que a Energisa tem legado à economia mineira. Para 2019, o Grupo prevê um investimento de R$ 78,5 milhões na Energisa Minas Gerais, distribuidora com sede em Cataguases e que atende a municípios da Zona da Mata. A cidade também abriga a Central de Serviços Energisa (CSE), o 5º maior centro de serviços compartilhados do Brasil e que atende a todas as empresas do Grupo Energisa. Dentro do CSE, também foi inaugurada este ano a Fábrica de Softwares, empregando 350 pessoas.

Foto: Sebastião Jacinto Jr / FIEMG

Foto: Sebastião Jacinto Jr / FIEMG

Essas iniciativas funcionarão com o alicerce de um projeto maior: o Rio Pomba Valley, um ecossistema para alavancar o desenvolvimento regional na direção da chamada nova economia. Além da tecnologia, a empresa também segue com investimentos em cultura e produção audiovisual. “No último decênio, investimos R$ 32,5 milhões, impactando 30 projetos culturais, 27 projetos audiovisuais e mantendo espaços culturais na região. Em 2019, a previsão de investimento no Polo de Audiovisual da Zona da Mata é de R$ 11,4 milhões”, detalha Botelho, ressaltando que o impacto estimado na economia foi de R$ 29 milhões desde a criação do Polo e que mais de 1.500 pessoas foram contratadas localmente para as produções.

Entretanto, Botelho ressaltou que para superar o cenário hostil à livre iniciativa, é necessário reformar o ambiente de negócios. “Nossos atletas empresários são obrigados a competir carregando em suas costas o peso do Estado obeso, avantajado”, afirmou. “Para bem da nossa indústria é necessário atacar imediatamente os custos ocultos, as normas bizantinas e obrigações acessórias que travam os negócios nacionais”. Ao falar especificamente da situação mineira, Botelho lista como objetivos a serem alcançados a busca do equilíbrio fiscal, a melhoria dos serviços sociais básicos, a implantação de um plano de redução de desigualdades e a melhoria da qualidade de vida da população mais pobre.


No evento, também foram premiados o CEO e chairman da MRV Engenharia, Rubens Menin Teixeira de Souza, agraciado com a medalha de Mérito Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Outros 15 industriais também foram homenageados com o Mérito Industrial.

O prefeito de Cataguases, Willian Lobo de Almeida, também prestigiou o evento juntamente com a primeira dama, Sabrina Arcara Lobo. Em sua rede social o prefeito parabenizou o empresário: "Para mim, enquanto prefeito, é motivo de grande orgulho prestigiar a entrega de um prêmio desta grandeza a um profissional exemplar e preocupado com a nossa cidade como o Ricardo. Nós todos devemos nos sentir homenageados pelo fato do nosso município ser o local da sede da empresa, que é fundamental para a economia da cidade", escreveu.
Foto: Facebook / Reprodução

Com informações da Assessoria de Comunicação da Energisa

Comentários

Banner cadastramento cartão SUS Campanha Mídia Mineira para o uso de máscaras DJ Fábio Dias Cataguases