Pular para o conteúdo principal
Unipac
Web Certificados
Drogaria Santa Rita DecolaNet RÁDIO BRILHO CATAGUASES - MG

Câmara de Dona Euzébia rejeita parecer do TCEMG e aprova contas de 2014 do ex-prefeito Mazinho

Decisão aconteceu após o ex-prefeito apresentar defesa em plenário. Nesta quinta-feira (2), os vereadores de Dona Euzébia rejeitaram o parecer do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCEMG) e aprovaram as contas do ex-prefeito da cidade, Itamar Ribeiro Toledo, o Mazinho, referente ao exercício de 2014. No dia 12 de agosto, os vereadores realizaram uma votação para analisar o parecer do TCE, mas a mesma foi anulada pelo próprio TCE, devido a falta de quórum e a ausência de defesa do ex-prefeito. Na ocasião, a Comissão de Finanças havia acompanhado o parecer do TCE, mas após o comparecimento de Mazinho, dentro do prazo regimental, os vereadores aceitaram os argumentos, fazendo com que a maioria dos membros da comissão mudassem o voto, deixando os demais edis à vontade para rejeitar o parecer por 6 votos a 3. Não é a primeira vez que a Câmara de Dona Euzébia rejeita um parecer do TCEMG.  O fato já ocorreu em outras duas oportunidades, quando os vereadores rejeitaram o parecer do

Família de idosa de Miraí que morreu após demora em atendimento vai processar o estado do Rio de Janeiro

A família de Irene Bento, de 54 anos, está processando o estado do Rio de Janeiro pela morte da dona de casa. Irene foi levada pela família para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, na zona norte do Rio, na tarde de sábado (28/07), mas não teve atendimento.

Foto: Reprodução vídeo pesoal

Foi levada novamente pela família para a Unidade de Pronto Atendimento, a UPA próxima ao hospital, e no final da noite, com a piora no quadro foi transferida novamente para o Getúlio Vargas, onde foi decretada a morte dela.

Irene foi enterrada no início da semana, na cidade de Miraí, Minas Gerais. Rangel Marques, filho de Irene afirma que quer evitar que a tragédia se repita com outras famílias.

O caso foi registrado na 38ª Delegacia de Polícia e de acordo com a Polícia Civil vai ser investigado pela 22ª Delegacia, da Penha. Segundo a família, Irene foi levada para o hospital por volta de duas da tarde, com muita falta de ar, sem conseguir falar e se locomover.

Uma hora depois, com a percepção de que ela estava piorando e o atendimento não acontecia o filho começou a percorrer o hospital tentando encontrar os médicos e protestando contra a demora já que a unidade estava vazia. 

Ele próprio gravou a procura e encontrou uma sala com uma médica que acessava o celular e, quando interpelada, disse a ele que não estava vendo o whatsApp e sim documentos médicos e que era preciso esperar a ficha da paciente.

Depois do protesto, de acordo com o relato da família, uma enfermeira aferiu a pressão de Irene, disse que não estava grave e recomendou que fosse levada para a UPA. Procurada, a assessoria de imprensa da OS Pró Saúde, que adminstra o Hospital Getúlo Vargas,  afirmou que o caso deveria ser tratado com a Secretaria Estadual de Saúde.

Em nota enviada pela assessoria de imprensa, a secretaria de Estado de Saúde afirmou apenas que a direção do Hospital Estadual Getúlio Vargas lamenta o ocorrido e informa que tomará as providências para que os envolvidos sejam responsabilizados.

Fonte: EBC

Comentários

Anuncie Aqui Anuncie Aqui