Pular para o conteúdo principal
Web Certificados
Drogaria Santa Rita DecolaNet RÁDIO BRILHO CATAGUASES - MG

Morador de Leopoldina tem perna amputada e filho pede ajuda para compra de prótese

Familiares de Sílvio Bastos, 62, que mora em Leopoldina, lançaram campanha de arrecadação de fundos para comprar uma prótese para a perna direita Familiares do Sr. Sílvio Bastos, de 62 anos, residente em Leopoldina, iniciaram uma campanha de arrecadação de recursos para a compra de uma prótese para sua perna direita, amputada no início de 2020 devido a complicações relacionadas à diabetes. O filho do paciente, Jeferson, entrou em contato relatando a situação em busca de ajuda dos leitores e leitoras que acessam o jornal e informando sobre a “vaquinha”, aberta para tentar comprar a prótese. De acordo com o orçamento, datado de 7 de abril deste ano, a prótese para amputação transtibial, pé sach, encaixe em resina acrílica, reforço em carbono, sistema por pino de fixação com liner em silicone, tem o valor orçado em R$ 9.500,00. “Olá! Venho por meio deste avisar que estamos fazendo uma corrente do bem pra tentar comprar a prótese de meu pai”, escreveu Jeferson. “Meu pai veio sofrendo de di

Cataguasense conquista o Pan-Americano Junior de Handebol Feminino

Foto: Arquivo Pessoal
A Seleção Brasileira de handebol Júnior conquistou, no último dia 25 de março, em Goiânia, o Pan-Americano pela categoria, tendo entre as atletas campeãs a cataguasense Rafaella Rocha. Na partida decisiva, o Brasil derrotou a Argentina por 28 a 24, em uma competição que reuniu ainda as seleções do Chile, Uruguai, Paraguai e República Dominicana. Hoje, aos 18 anos, morando na cidade catarinense de Blumenau e jogando pelo Abluhand, Rafaella conta que começou no esporte aos 12 anos, quando foi revelada pelo professor Ivair Neto, na época responsável por um projeto de iniciação ao handebol que existia no Sesi Cataguases. “Sou eternamente grata ao professor Ivair, porque aquela  escola foi determinante para o meu futuro, me fez gostar do esporte e foi ali que consegui entender a necessidade da máxima dedicação para aprimorar a técnica, os aspectos táticos e o desempenho físico que o handebol exige”, disse.

Já em 2014, Rafaella trazia no currículo o prêmio de melhor ponteira e revelação de Minas Gerais. No ano seguinte, foi convidada a jogar no Espírito Santo, pelo Sparta, de Mantenópolis, onde se sagrou campeã do Brasil Cup de Handebol em São Paulo. No mesmo ano, foi campeã mineira da categoria cadete, artilheira da competição, melhor armadora direita e convidada a defender o time feminino do Colégio Castro Alves, de Cariacica, também do Espírito Santo. Em 2016, representou o Brasil no mundial desta modalidade em Rourn, na França. No mesmo ano, de volta ao Sparta, disputou o Brasileiro de Clubes, em Balneário Camboriú, quando a equipe ficou em 5º lugar e Rafaella foi a artilheira e eleita a melhor armadora esquerda do campeonato. No ano passado, jogando o mesmo campeonato, desta vez defendendo a Liga Hamburguense de Handebol (RS), Rafaella voltou a ser eleita a melhor armadora, ajudando seu time a conquistar o terceiro lugar na competição.

Filha de Eneas Rodrigues Rocha Silva e Patrícia Rodrigues Rocha Silva, também se diz grata aos pais pelo apoio. “Sempre me incentivaram. Não moram mais comigo, mas estão sempre acompanhando os jogos, interessados e conversando a respeito”, disse ela, agora se preparando para mais um desafio internacional.

Em julho, ela volta a defender a Seleção Brasileira, na disputa pelo mundial de Handebol Júnior, na Hungria. 

Fonte: Jornal Cataguases

Comentários

Anuncie Aqui Anuncie Aqui