Pular para o conteúdo principal
Web Certificados
Drogaria Santa Rita DecolaNet RÁDIO BRILHO CATAGUASES - MG

PCMG realiza operação “Cataclisma” em Muriaé

Ação foi realizada no município da Zona da Mata mineira para combater o tráfico. Um suspeito foi preso e drogas foram apreendidas A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) deflagrou, nesta quinta-feira (13/1), a operação “Cataclisma”, visando combater o tráfico de drogas no município de Muriaé, na Zona da Mata mineira. Na ocasião, durante cumprimento de mandado de busca e apreensão no Bairro Padre Tiago, um suspeito de 29 anos foi preso.  Além disso, também foram apreendidos, aproximadamente, dois quilos de maconha, 41 papelotes de cocaína, R$ 112 e uma balança de precisão. Conforme informações do delegado Glaydson Souza, levantamentos da PCMG apontaram que o investigado realizava a mercancia ilícita de entorpecentes na residência dele, onde foram localizados os materiais.  O rapaz foi preso em flagrante por tráfico e conduzido até a unidade policial.  Operação “Cataclisma” De acordo com o delegado, o nome da operação faz alusão à dificuldade de acesso ao imóvel do suspeito, já que no loc

Moradores em situação de rua preocupa população cataguasense

Grande parte reclama das abordagens que recebem nas ruas da cidade.


Ao andar pelo centro da cidade, tanto durante o dia como a noite populares tem sentido a sensação de aumento da população em situação de rua em Cataguases, debaixo de marquises a noite para dormir, nas praças e portas de banco durante o dia. 

Na Chácara Dona Catarina, por exemplo, um vagão ali instalado tornou-se praticamente uma moradia onde é possível ver panos pendurados em sua grade e grande quantidade de lixo ali depositados, o que também acontece nos fundos do Mercado do Produtor.

Uma preocupação de pessoas que andam pelas ruas, principalmente idosos, é o fato de serem abordados por esses moradores de rua, na maioria das vezes com pedidos de dinheiro, o que tem causado medo e apreensão, principalmente nas pessoas que aguardam no ponto de ônibus que fica localizado na Chácara Dona Catarina. 

A ausência de informações de planejamento ou de medidas que estão ou serão tomadas pela Secretaria Municipal de Assistência Social para acompanhar essa população, faz com que o restante da população que transita pelo centro da cidade sinta insegurança.

Segundo a Secretária de Desenvolvimento Social, Carol Damasceno, no ano passado foi criado o Serviço Especializado em Abordagem (SEA), que possibilitou abordagens diárias e não apenas noturna como eram realizadas anteriormente. “Antes a gente só tinha contato com esse morador em situação de rua à noite e não era possível uma aproximação maior, porque durante o dia eles estão geralmente mais sóbrios e à noite, geralmente, é mais propício para o uso de álcool e drogas.”, disse.

A secretária também informou que foi feita uma parceria com o CAPS-AD, possibilitando abordagem a Assistência Social em Conjunto com a Saúde. Outra medida, foi o aumento do horário no albergue e redução de algumas regras que impediam alguns de permanecer, além da inclusão no Cadastro único para que eles tenham acesso ao direito básico.

“Esses moradores em geral são dependentes de álcool e drogas, o que é uma doença e dificulta o trabalho”, finalizou a secretária.

Segundo a pasta, em Cataguases existem 17 moradores nesta situação, mas são contabilizados apenas aqueles que se enquadram no Decreto Federal 7053/2009 que define morador em situação de rua aqueles que possuem em comum a pobreza extrema, os vínculos familiares interrompidos ou fragilizados e a inexistência de moradia convencional regular, e que utiliza os logradouros públicos e as áreas degradadas como espaço de moradia e de sustento, de forma temporária ou permanente.



Por Rodrigo Mendes.

Comentários

  1. Muito preocupante isso mesmo, mais têm grupos na cidade que colabora com isso,dando comida a estes moradores de rua, a maioria deles têm família e casa, mais preferem ficar na rua porque lá tem tudo e não existe regras, comida, bebida, drogas etc, e quando estão no efeito de alguma substância ficam agressivos com as pessoas, tem que haver uma ação imediata não adianta só fazer abordagem.e ainda pôr cima como se não bastasse tem outras pessoas de outra cidade no calçadão, abordando todos que passam alí pedindo dinheiro para algumas entidades de outra cidade e quase arranca o dinheiro das bolsas ou carteira principalmente se for mulher tudo isso tem que ter uma fiscalização forte e não aceitar estes meliantes na cidade. Parabéns Marcos Gama pela reportagem.

    ResponderExcluir
  2. É preciso comprometer-se. A sociedade civil tb deveria sentir-se responsável por essa situação. Falta empatia e solidariedade. O morador de rua incomoda não só pq aborda os transeuntes e faz sujeira, mas pq escancara a sociedade que ninguem quer ver. Nso vendo fica mais facil fingir q essa situação não existe, voltar.pra casa e dormir na cama quente depois de tomar um banho w jantar na mesa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Anuncie Aqui Anuncie Aqui