Amazon Prime Vídeo
Drogaria Santa Rita DecolaNet RÁDIO BRILHO CATAGUASES - MG

Polícia Civil desmantela esquema de apropriação indébita de passagens de ônibus em Cataguases

Após 6 meses de investigação, policiais conseguiram desmantelar uma associação criminosa de motoristas que aplicavam golpes contra a empresa que trabalhavam.

Nesta segunda-feira (17), a Polícia Civil de Minas Gerais concluiu inquérito contra treze motoristas de ônibus, por apropriação indébita, por lesarem a empresa a qual eles trabalhavam, no município de Cataguases, na Zona da Mata mineira.

Após 6 meses de investigação, policiais da 27ª Delegacia de Cataguases, conseguiram desmantelar uma associação criminosa, onde cerca de 13 motoristas de transporte coletivo, estariam apropriando-se de importâncias já pagas por usuários, não repassando na totalidade, o dinheiro devido para a empresa onde trabalhavam. Estima-se que o prejuízo causado por eles seja de setenta mil reais.


As investigações apuraram que esses motoristas, valendo-se da confiança em si depositadas, organizaram e planejaram um ardiloso esquema de apropriação indevida de valores mediante recebimento e não devolução ao legítimo proprietário, valores estes dos quais tinham a posse em virtude da função de motorista.

Os delegados Marcelo Manna e Diego Vilhena ressaltaram que “o esquema criminoso consistia em apropriar-se indevidamente de valores recebidos de clientes pela emissão de passes, onde, ao invés dos passageiros passarem pela catraca e desembarcarem pela porta traseira do ônibus - que seria o procedimento normal - desembarcavam pela porta dianteira, sem passar pela catraca.”

Apurou-se também, que a maioria dos suspeitos mantinham contato entre si, através de um grupo de whatsapp, onde se vangloriavam dos desvios cometidos, debochando dos passes recebidos e indicando qual linha era mais rentável por ter mais passageiros, além de compartilharem a preocupação com as câmeras instaladas no interior dos ônibus, questionando se estavam funcionando ou não.

Segundo os delegados, o Inquérito Policial foi concluído e remetido à Justiça Criminal.

Fonte: Polícia Civil de Minas Gerais
 

Comentários