Notícia

Bispo celebrará Missa da Unidade e ordenará dois diáconos para a Diocese de Leopoldina

No sábado, 15 de agosto de 2020, serão ordenados como diáconos Douglas Pereira Paul e Paulo Emílio Carneiro Xavier, pela imposição das mãos de dom Edson Oriolo, bispo de Leopoldina. A Solene Celebração Eucarística será realizada às 16:00, na Catedral de São Sebastião de Leopoldina, sendo transmitida ao vivo pelas redes sociais da Diocese de Leopoldina. Em razões da pandemia, a participação presencial está restrita ao clero e aos pais dos ordenandos.
A palavra diácono tem origem grega diákonos e significa ‘atendente’ ou ‘servente’. É um servo de Deus que ajuda com os trabalhos da Igreja, sendo o primeiro grau de sacramento da ordem: diáconos, presbíteros e bispos.
Na ordenação dos diáconos, a imposição das mãos e a Oração Consecratória são os elementos centrais durante a celebração, que constitui também dos ritos preparatórios de apresentação dos eleitos, eleição dos candidatos, homilia, promessa dos eleitos, súplica litânica, vestição da estola e da domática, entre outros.
Na ocasião, tam…
Drogaria Santa Rita

Justiça nega habeas corpus de homem que agrediu companheira e enteada em Nova Lima

Elas também sofreram ameaças com arma de fogo


A 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou o pedido de habeas corpus a um homem que agrediu e ameaçou, com arma de fogo, sua companheira e a filha dela.  

A vítima relatou que vivia com o agressor há seis meses e que constantemente sofria agressões e ameaças. 

De acordo com os depoimentos da vítima, em abril deste ano, a mulher estava almoçando com sua filha, quando a menina percebeu um hematoma no corpo da mãe e questionou o motivo da lesão. Apesar de, muitas vezes, ter tentado esconder, a mulher acabou revelando à filha que vinha sofrendo agressões. 

Quando o homem chegou em casa, a filha falou que não iria admitir que ele continuasse agredindo sua mãe. Esse fato o deixou bastante nervoso.  

Quando a menina saiu, o agressor pegou uma arma de fogo e ameaçou ir atrás dela. Desesperada, a mãe ligou para a garota, que, imediatamente, acionou a Polícia Militar. Ao chegarem ao local, os policiais realizaram a prisão preventiva, mesmo após o homem ter tentado se esconder, apagando as luzes da casa.  

No pedido de habeas corpus, o agressor alegou falta de fundamentação para a prisão preventiva e solicitou outras medidas cautelares em seu lugar.  

Chances de reincidência

Para o desembargador relator Sálvio Chaves, as chances de reincidência, caso o homem fosse solto, eram grandes.  “A decisão impugnada está avalizada por um farto conjunto de elementos colhidos na investigação policial, aptos a conduzir à tranquila convicção de que solto, poderá o paciente envidar novas práticas delitivas e, sem sombra de dúvidas, intimidar a escorreita instrução criminal. Certo é que os pressupostos autorizadores da prisão preventiva foram devidamente ponderados e aliados às circunstâncias do caso”, ressaltou o magistrado. 

Assim, o desembargador considerou que a prisão preventiva do agressor deve ser mantida para garantir a ordem pública e resguardar a integridade física da vítima.  

Os desembargadores Paulo Calmon Nogueira da Gama e Marcílio Eustáquio Gomes votaram de acordo com o relator. 

Fonte: TJMG

Comentários

Campanha Mídia Mineira para o uso de máscaras DJ Fábio Dias Cataguases