Cataguases tem o maior número de casos positivos de Covid-19 em 24 horas

O Município de Cataguases teve nesta terça-feira (7), o dia com maior número de casos confirmados em 24 horas. Segundo Boletim da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), foram 12 novos casos confirmados, sendo 3 do sexo masculino, dois de 33 anos e um de 71 anos e 9 do sexo feminino, três com 37 anos e os demais com 32, 51, 57, 67, 69 e 76 anos. Todos os 12 casos estão com sintomas da doença.
A pasta esclareceu que os testes rápidos são realizados nas unidades básicas de saúde, que funcionam de segunda a sexta-feira e que por isso, há um maior número de confirmações nesses dias.
Com os 12 novos casos, o Município totalizou 130 casos positivos, destes, 33 já estão curados, 88 estão em isolamento domiciliar e 2 estão hospitalizados. Sete pessoas vieram a óbito pela Covid-19 em Cataguases.
Embora o boletim da prefeitura conste apenas dois internados, os dados hospitalares divulgados também nesta terça-feira (7), mostram que 7 pessoas estão internadas no PV8, ala específica do Hospital de Catag…
Drogaria Santa Rita

Prefeito de Cataguases será indenizado por agressões de perfis falsos no Facebook

Sentença foi mantida na segunda instância e Facebook terá que fornecer IPs de responsáveis por grupo de notícias falsas

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais manteve a decisão de primeira instância da juíza Danielle Rodrigues da Silva, da 1ª Vara Cível da Comarca de Cataguases que condenou o 
Facebook Serviços Online do Brasil Ltda a indenizar o prefeito de Cataguases, Willian Lobo de Almeida e remover o perfil fake "Alexandre Lopes" e o grupo  'Cataguases Sem Laskeira'.

Conforme a decisão que o Site Mídia Mineira teve acesso, o processo foi protocolado pela defesa do prefeito, no dia 24 de abril de 2017, após o gestor sofrer ofensas pela rede social Facebook. A defesa sustentou que "somente através do levantamento do IP do perfil falso utilizado para denigrir a imagem do prefeito, que será possível apurar a real identidade dos seus ofensores, garantindo, assim, o direito à informação." Na primeira instância a juíza reconheceu a gravidade das ofensas contra o prefeito, a ilegalidade do perfil fake e do grupo destinado a divulgar informações falsas. Com base no Artigo 5º, inciso IV da Constituição Federal, que estabelece que "é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”, a magistrada considerou que os princípios citados exigem da rede social a diligência mínima de assegurar, quando pleiteada, a identificação do usuário, a fim de se evitar o anonimato. "tendo em conta que as argumentações do requerente são no sentido de que pessoas, utilizando-se de um perfil falso no Facebook, vêm proferindo ofensas à sua pessoa, fugindo da função social que se destina o site, vê-se que as medidas pleiteadas são, realmente, as únicas acessíveis para se conhecer o efetivo infrator", escreveu.

Tendo em vista os fatos demonstrados pela defesa, a magistrada julgou, no dia 07 de janeiro de 2020, improcedentes os pedidos formulados em face da Oi Internet S.A. e condenou o Facebook Serviços Online do Brasil Ltda a: 
  1. fornecer a defesa os endereços de IP solicitados na inicial;
  2. a remoção do perfil fake "Alexandre Lopes" e do grupo "Cataguases sem Laskeira";
  3. indenizar o prefeito por danos morais em R$ 10 mil com as correções desde o evento danoso;
  4. pagar as custas e despesas processuais e honorários advocatícios.
O Facebook recorreu e na segunda instância, o Desembargador Pedro Aleixo, negou provimento a apelação e manteve a decisão de primeira instância, no dia 19 de junho deste ano. Ele considerou que "o provedor de conteúdo pode ser responsabilizado se, após notificado sobre a existência de conteúdo ofensivo, permaneça inerte". 

Segundo o desembargador, "o requerido foi informado acerca das violações e falsidade do perfil com a  decisão de tutela provisória do dia 11 de outubro de 2017, que determinou a exclusão dos perfis em 24 horas, sob pena de multa diária de mil reais, mas que, no entanto, o Facebook descumpriu a ordem judicial, alegando que: "após identificar todos os provedores de acesso à internet mediante os IPs que foram fornecidos, o autor deverá requerer a expedição de ofício aos provedores informando o internet protocol com a data, hora e fuso-horário, que irá obter todos os dados pessoais acerca do responsável pelo perfil 'Alexandre Lopes' e do grupo 'Cataguases Sem Laskeira', conforme URLs indicadas na inicial, na plataforma do Site Facebook". Ao deixar de atender à ordem judicial, o Desembargador considerou que o requerido cometeu ato ilícito, sendo, portanto, passível de indenização.

Acompanharam o voto do relator os desembargadores: Ramom Tácio e Marcos Henrique Caldeira Brant.

O Site Mídia Mineira realizou pesquisa no Facebook e constatou que o Perfil "Alexandre Lopes" foi excluído, bem como o Grupo "Cataguases sem Laskeira", mas que outro grupo privado foi criado: "Cataguases sem Laskeira II", administrado pelos perfis fakes: "Magrinho Cataguases", "Manguinha Cataguases", "Carlota Magnólia Cataguases" e "Alexandre Lobby".

Comentários

Campanha Mídia Mineira para o uso de máscaras DJ Fábio Dias Cataguases