Energisa utiliza helicóptero para inspeções na rede elétrica e garante agilidade em 95% dos serviços

Foram investidos R$ 180 mil para inspecionar 580 km de linhas. O compromisso da Energisa é a excelência no fornecimento de energia elétrica, serviço essencial para toda a população. Por isso, a empresa está investindo cada vez mais em tecnologia e modernizando a rede elétrica. Para agilizar as inspeções na rede, a Energisa Minas Gerais conta com equipamentos modernos e um helicóptero para inspeções visuais e termográficas aéreas nas linhas, garantindo maior rapidez. Dentro do planejamento estratégico de investimento na rede, no mês de março, foram inspecionados aproximadamente 580 km de linhas de transmissão, que interligam as subestações da área de concessão da Energisa em Minas Gerais, um investimento de cerca de R$ 180 mil. Utilizando equipamentos de alta tecnologia, com uma câmera das mais avançadas do mercado, acoplada ao helicóptero, é possível identificar, desde o estágio inicial, os locais onde ações corretivas devem ser realizadas de forma programada. A câmera de

Governo de Minas não consegue regularizar repasses constitucionais dos municípios na primeira semana de Romeu Zema, reclama AMM

A primeira semana do novo governador Romeu Zema não foi das melhores para os municípios mineiros. Em publicação em seu portal de notícias, a Associação Mineira de Municípios - AMM, voltou a reclamar dos repasses constitucionais que não foram regularizados na primeira semana. Conforme a associação, os pagamentos que deveriam ser feitos no dia 2 de janeiro de 2019 não caíram nas contas das prefeituras e a dívida total já alcança a cifra de R$12,5 bilhões, segundo levantamento do dia 3 de janeiro. Neste total, estão inclusos ICMS e Fundeb, além dos atrasos referentes ao transporte escolar, piso da assistência social, repasses da Saúde, multas de trânsitos e juros e correções.

Foto: Luiz Santana/ALMG - Arte: Mídia Mineira
com informações da AMM
A AMM ressalta ainda que "a irregularidade no pagamento dos repasses semanais vem colapsando as gestões municipais. Muitos municípios já estão com salários dos servidores e fornecedores atrasados, além da paralisação de serviços básicos para atendimento à população".


Conforme o artigo 158 da Constituição Federal, pertence aos municípios: “três quartos, no mínimo, na proporção do valor adicionado nas operações relativas à circulação de mercadorias e nas prestações de serviços, efetuadas em seus territórios”. Dessa forma, a retenção do recurso, pelo Estado, é inconstitucional, reafirma a associação.

Em comunicado o Governo de Minas disse que na primeira semana iniciou o processo de retomada das transferências regulares de recursos para os municípios mineiros e que hoje, terça-feira (8), está prevista mais uma parcela, que deverá totalizar R$ 507 milhões (confira a nota na íntegra no final da matéria).

Ontem, o presidente da AMM e vice-presidente da CNM e prefeito de Moema, Julvan Lacerda, postou na rede social da associação que se encontra em vigília na Cidade Administrativa desde a semana passada para articular a regularização dos repasses. Segundo Julvan, o diálogo é mais positivo e saudável. “Estamos confiantes, mas se não houver soluções, iremos para o embate. O que queremos é que se cumpra a lei”, disse. 

Cataguases

Na última sexta-feira (4), a prefeitura de Cataguases postou nota em rede social alertando que o novo governador não havia realizado os repasses de ICMS e Fundeb esperados. Segundo a prefeitura, era esperado um repasse de mais de R$ 500 mil somente para Cataguases, o que não aconteceu. A dívida total do Governo de Minas com o município já está em R$ 20,6 milhões.

Comunicado do Governo de Minas

Nesta primeira semana de Romeu Zema (Novo) à frente do Estado de Minas Gerais teve início o processo de retomada das transferências regulares de recursos para os municípios mineiros. Nesta terça-feira (8) está prevista mais uma parcela a ser repassada e que vai totalizar cerca de R$ 507 milhões transferidos para os prefeitos e prefeitas do Estado nos primeiros sete dias do governo Zema.
Diante da indisponibilidade de recursos em caixa e com dívidas bilionárias herdadas da gestão anterior, a administração fazendária trabalha arduamente para equilibrar e equacionar os repasses aos municípios e haver a regularização dos atrasos nos salários dos servidores estaduais. A decisão, nesta segunda-feira (7), do Supremo Tribunal Federal (STF), que desbloqueou R$ 443,3 milhões da conta do Estado de Minas Gerais, segundo o secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa, trará um novo alento para a estabilidade do caixa estadual no decorrer deste mês de janeiro.
Atenciosamente,
Governo do Estado de Minas Gerais
Com informações da AMM, Agência Minas e
Prefeitura de Cataguases

Comentários

Banner cadastramento cartão SUS Campanha Mídia Mineira para o uso de máscaras DJ Fábio Dias Cataguases